É muito comum que em tempo difíceis, como crises financeiras ou a pandemia que vivemos recentemente, as empresas reduzam drasticamente seus custos, uma vez que as receitas diminuem de forma significativa.

Geralmente, a primeira verba que vai embora é do centro de custo em marketing. Enxugam, eliminam ou realocam-se os investimentos destinados para feiras e eventos, treinamentos, campanhas em mídias sociais e por aí vai.

Quando não tem mais onde cortar, a conta chega para o headcount. Todas as áreas recebem a incumbência de diminuir uma porcentagem da verba e os cortes começam a acontecer. É sobre isso que tratarei neste post.

Tenha muita calma neste momento

Sabe aquela máxima que um cliente mal atendido custa de 3 a 5 vezes mais para recuperá-lo? Então, esta mesma máxima vale para um bom funcionário demitido.

Gente, mandar pessoas embora custa caro! Além de ter que pagar todos os direitos desta pessoa, imagina quanto você não irá gastar para repor quando precisar dela! Geralmente a pessoa que foi demitida já estava nos padrões da empresa (caso tenha sido demitida pela crise e não por um desempenho ruim), trabalhava sob os moldes da cultura da empresa, conhecia a fundo do produto, entre outras qualidades. Quanto vale isso? Quanto vai lhe custar para formar outro funcionário igual a este?

Mantenha os bons funcionários

Passada a crise (sim, a crise vai passar), o mercado voltará e a empresa também voltará à sua normalidade e ao crescimento, certo? Pessoas serão necessárias. Sabe o que vai acontecer? Uma grande fila no RH requisitando profissionais capacitados e prontos; mas o RH não é mágico. Neste momento, você vai ver o mercado crescer, as oportunidades vão passar na sua porta e você não vai surfar essa onda. Mesmo que a empresa já tenha recolocado as pessoas, estas certamente não estarão 100% capacitadas, principalmente a área de vendas, que precisa conhecer o produto no detalhe.

Tente ao máximo reter seus funcionários. Negocie com eles antecipação de férias, redução de salários dentro do que a CLT permite, incentivos do governo etc. Estude todas as possibilidades para manter sua equipe; se ainda assim não for possível, faça a reestruturação de forma justa. Veja quem mais entregou resultados nos últimos tempos, quem tem maior comprometimento e assiduidade ou quem busca sempre o conhecimento. Não faça demissão por afetividade, faça por meritocracia!

Boa sorte e boas vendas!

1 responder
  1. Ivan
    Ivan says:

    Caro, Coffone dissertação corretíssima!
    O pequeno empresário, o que mais precisa, constroi o seu patrimônio pessoal como casa própria, carro de último tipo, casa na praia, sítio, viagens etc. E seu filão de ouro é relegado à falta de estrutura, pois ele compra, ele vende, faz o financeiro, tem uma pessoa de confiança que abre e fecha.
    Maravilho o caminho que você está abrindo a esses empresários que, infelizmente, são a maioria no nosso amado Brasil.
    Que DEUS ilumine essa sua luta.
    Que DEUS nos proteja dessa pandemia.
    Que DEUS nos ajude a nos encontrarmos para comemorarmos o crescimento da AC3 Vendas!
    Abração.

    Responder

Deixe uma resposta

Tem uma opinião sobre o assunto?
Fique à vontade para comentar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *